Busca avançada



Criar

História

De Arapongas para São Paulo, uma queda para cima!

História de: Pedagogo valdeni da silva
Autor: Pedagogo valdeni da silva
Publicado em: 11/01/2015

Sinopse

De quando aqui cheguei, saindo de um Patrimônio de uma cidade do norte do Paraná e chegando na maior metrópole da América do Sul, até hoje um Pedagogo com mais de 22 anos de experiência no Magistério, posso dizer que me sinto realizado. Aqui aprendi muito e ensinei um pouco, hoje Paulistano por adoção, amo essa cidade seu povo, sua cultura e gastronomia, amo amar e amo ser amado, odeio odiar e não desejo ser odiado. Assim sou eu um educador com paixão, discípulo de Ruben Alves, o maior Educador de todos os séculos.

Tags

História completa

Quando aqui cheguei no ano de 1975, São Paulo era outra, mais simples, mais singela, mais acolhedora, a vida era mais difícil, no entanto, as pessoas eram mais amigas, haviam festinhas nas casas dos amigos, casamentos em casa regados de Tubaína, carne louca e Cuba livre, brincadeiras de rua até altas horas da noite.

Na passagem de ano a gente ia nas casas dos outros comer e beber, na Rua Júlio Vergueiro era uma festa, a gente comia na nossa casa, ia para casa dos vizinhos, amigos que carinhosamente me lembro, não vou citar nomes, pois são muitos. São Paulo cresceu e com ela vieram novos hábitos e mudanças no comportamento social, com a evolução tecnológica e o fácil acesso aos bens de consumo as pessoas passaram a ter um comportamento mais individualista, as famílias se isolaram dentro de suas casas acabando os almoços coletivos os encontros de parentes que era uma verdadeira festa, uma explosão de alegria e fraternidade.

No entanto, não quero falar da São Paulo atual, mas sim da antiga, aquela que encontrei ao chegar de Arapongas, no Paraná, o susto que levei ao ver os arranha-céus, a dificuldade que tive para me adaptar, pois o meu ´paranaensês´ era pouco compreendido aqui e eu falava cantando, o que era motivo de zombaria dos colegas da vila, mas fui corajoso, meu primeiro emprego foi de Office Boy, com um Guia Levy nas mãos conheci essa cidade como ninguém, depois fui carteiro e entregador aí sim dominei Sampa.

Com o tempo vi muitas coisas mudarem, as referências dessa cidade foram sumindo aos poucos, entre as mais populares a Mesbla, o Mappin, a Casa Fretem, a Fábrica de móveis Brasil, a Tamakavy, os cinemas de bairro como o famoso Lapena em São Miguel e o Penharama, hoje viraram tudo igreja. Nossa diversão preferida era ir no bairro dos Pimentas, em Guarulhos, brincar nas pedras enormes que haviam lá antes da Rodovia Airton Senna existir, e por mais que possa parecer incrível pescar no Rio Tietê, perto de onde hoje é o Adega Alambique Casteluche.

Naquele tempo todos se conheciam no ônibus, a gente o tomava não pelo letreiro, mas sim pelas pessoas que estavam dentro e até podia guardar lugar era uma prática que ninguém se importava, o “poeirinha “ou o “monobloco “levava quase duas horas do Parque Dom Pedro à Vila Curuçá, mas que importava? Éramos todos amigos, o motorista, o cobrador, os passageiros, enfim, depois de um dia exaustivo de trabalho nada melhor que um ”happy hour" dentro do busão vindo para casa.

Hoje me casei, sou Pedagogo, me formei com muitas dificuldades fazendo Supletivo Santa Inês, magistério, e faculdade - que ganhei de presente de um amigo ex-combatente da guerra de 1932, Francisco Cardoso Duarte, herói de 32. A história dele vou contar depois para vocês -tudo à noite, mas estou feliz, pois de camponês a Pedagogo posso dizer que venci na vida, não fiz fortuna, minha riqueza é todo o bem que fiz até hoje para minha família, meus educandos e amigos e minha felicidade se completa ao ver minha história publicada pelo mais conceituado museu da pessoa da América do Sul. Espero continuar escrevendo minha história nos meus bons atos, até aqui consegui chegar o meu futuro Deus o proverá só quero que seja de sabedoria, pois se não puder fazer o bem o mal não habitará nas minhas mãos. 

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas

Patrocinadores


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | fax +55 11 2144.7151 | portal@museudapessoa.net
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional