Busca avançada



Criar

História

DDAH, Remédios, Escola, Caminhos: O Retrato do Jovem do Século XXI

História de: Leandro Pellegrini Gatti
Autor: Leandro Pellegrini Gatti
Publicado em: 08/06/2018

Sinopse

Um dos muitos problemas enfrentados por um jovem estudante, em uma escola limitadora, com professores com péssima didática, tendo que enfrentar os desafios de ser rotulado com doenças emocionais, ter que frequentar um psiquiatra para "sanar" um problema com uma droga controlada. A verdadeira visão do que os remédios significam e um excelente exemplo para refletir o verdadeiro valor do autoconhecimento.

Tags

História completa

Eu escolhi essa história, que apesar de ser mais antiga, continua acontecendo em outros lares, com outros jovens. Problemas emocionais, dificuldade de concentração, conceitos errôneos de Déficit de Atenção, medicados por psiquiatras, com uso de drogas controladas. Com isso vem junto a compreensão da família quanto a situação, o preconceito das pessoas, o desconhecimento. Retrato para que as pessoas pensem se remédio é mesmo a melhor solução para as coisas ao invés do autoconhecimento.

 

Foi assim que começou tudo: 4º série até a 8º série e eu lá sempre de recuperação final. Meus pais eram chamados nas reuniões, eu tomava “umas” broncas, “uns” tapas da mãe, e acabava só estudando mesmo quando achavam que eu ia repetir de ano. E aí, com esforço e estudo eu passava e todo mundo falava “estuda menino, que você não passa sufoco” e aí no fim do ano lá estava eu de volta e todo mundo de férias!! Todos esses anos, foram assim, estudando em uma escola tradicionalista, católica apostólica romana, era a mesma coisa, estudando com pessoas frias, estranhas, com nariz empinado, sem muita conexão, e professores excessivamente sérios e pouquíssimos didáticos. E aí, no 1º colegial tentei fazer a mesma coisa e aí não deu certo. Repeti de ano. Meus pais piraram e me levaram logo a um psiquiatra após os professores questionarem que eu repeti porque não parava quieto.

 

Hiperatividade dizia o médico (tédio, diz a vida). Mas aí me deram uma tal de Ritalina e uns ansiolíticos que mudava tudo. Eu ficava concentrado (e dopado!), mas funcionava. Funcionou, joguei no lixo na terceira semana, sem avisar (odeio remédio). Meus pais descobriram e ficaram “loucos da vida”. Bom, mas aí para a surpresa deles eu mudei de escola, entrei em um lugar super legal e, sem remédio, comecei a ir bem nas provas. Os professores eram amigos, preocupados, animados, sabiam explicar com exemplos engraçados, ajudavam, se preocupavam com o meu aprendizado. Foram os melhores anos da minha vida. Aprendi para valer as matérias, fui super bem, não tive mais problemas com professores nem com essa agitação dentro da sala de aula. Enfim, comecei também a fazer terapia para me ajudar com alguns problemas emocionais, e de escolha profissional, porque eu sempre fiquei meio em dúvida do que eu gostava, minhas habilidades e sonhos, mas tudo resolvido (ou encaminhado, porque essas coisas causam dúvidas em todo mundo, o tempo todo) e remédio, nunca mais. Então isso é uma história que vale muito para o jovem brasileiro e quem sabe para jovens do mundo todo. Remédio só anula a verdadeira causa dos problemas, é preciso ir a fundo para descobrir a VERDADEIRA raiz dos fatos que perturbam a nossa vida.

Ver Tudo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | portal@museudapessoa.net
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+