Busca avançada



Criar

História

Descobrindo um pai interno

História de: Cézar Rocha Camargo
Autor: Museu da Pessoa
Publicado em: 18/12/2013

Sinopse

A entrevista de Cézar Rocha Camargo foi gravada pelo Programa Conte Sua História no dia 14 de novembro de 2013 no estúdio do Museu da Pessoa, e faz parte do projeto "Aproximando Pessoas - Conte Sua História". Cézar conta uma história de superação, passando por muita dificuldade quando criança. Passou um tempo de sua infância morando em Araraquara e quando voltou para são Paulo já começou a trabalhar na área de contabilidade e foi estudar ao mesmo tempo. Hoje tem três filhos já formados e trabalhando.

Tags

História completa

O meu pai, ele era um gerente da Singer, era uma máquina de costura. Ele era viajante da Singer foi na ocasião que ele conheceu minha mãe lá no interior, e depois o último contato que ele teve na Singer, trabalhava na filial da Singer na Mooca. Eu nasci em São Paulo e eu morei só com minha mãe, que meu pai não estava mais com a gente. Foi numa pensão. Aí a sua mãe saiu de Mirassol e veio pra São Paulo. Você imagina em 1940, uma mãe solteira era considerada uma prostituta então na realidade eu diria que foi uma fuga pra minimizar o impacto, vamos dizer, sobre os pais dela eu suponho. Ela ia vender de porta em porta uma farinha, que era um tipo de um leite em pó, alguma coisa assim, mas não era exatamente um leite em pó. Então ela saía com aqueles coisa, eu, me levava e ela ia batendo de porta em porta oferecendo. Então eu, vamos dizer, vivenciei assim, muita coisa assim, em termos de pessoas que te atendiam bem mesmo sem comprar, e outras que não te atendiam isso ficou muito marcado, tanto que hoje qualquer pessoa que bate na minha porta eu atendo. Nós mudamos pra Araraquara, que em Araraquara tinha dois tios meus que ambos trabalhavam na Estrada de Ferro Araraquara, então eles que deram todo apoio pra essa mudança eles viram casa, tudo pros meus avós, meus avós e eu. E ali eu passei, vamos dizer, eu vivi o período mais marcante pra mim da infância, que foi dos nove aos 14 anos. De manhã tomava café, atravessava a rua, estava na escola, na volta almoçava, aí ia pro campinho esperar chegar alguém com uma bola e jogava bola a tarde inteira, até de noite, e meu vô fazia eu tomar banho no escuro. E depois da janta a gente ouvia a novela no rádio era o Direito de Nascer e até que tinha um senhor, o Senhor Barone, que tinha uma chácara, que ele vinha da casa dele toda noite pra ouvir com a gente o Direito de Nascer. Depois quando nós viemos pra cá aí eu arrumei um trabalho, a gente morava na Rua do Carmo, eu arrumei um trabalho num escritório que era na Roberto Simonsen, que é a continuação da Rua do Carmo, era do lado de lá da Rangel Pestana um escritório de contabilidade e advocacia. Trabalhava e estudava, isso, estudei na, estudava na Brasil Lux na Mooca eu pegava um bonde ali embaixo da Tabatinguera e ia pra escola. E eu fui trabalhar no Banco Comercial da Cidade de São Paulo era um banco que hoje acabou formando o Itaú naquela época era Banco Comercial da Cidade de São Paulo. Fui trabalhar num setor que era que conferia aquele movimento diário, entendeu, dos correntistas débitos e créditos, uma seção chamada diário, onde a gente, vamos dizer, hoje eu recebia todo o movimento da letra A a C dos correntistas, aí aquelas máquinas grandes, eu lançava os valores todos ali. E no final de um lançamento desse movimento a gente tinha que conferir, tinha que bater débito com crédito não podia dar diferença e muitas vezes dava diferença e quando dava diferença você tinha que achar, aí você podia ficar além do horário normal até achar, que só podia ir embora com as suas contas batidas. Depois eu fui trabalhar na Philips, em Contas a Pagar. E a empresa acompanhou minha paternidade toda, foi uma empresa fantástica. Até hoje eu só compro lâmpada deles. Meus filhos hoje são todos encaminhados. A Mônica é professora por formação, professora de Educação Física e trabalha no Gol de Letra. O Ricardo é publicitário, trabalhar lá na ESPN e o Rogério tem uma pequena produtora trabalha com vídeo, essas coisas.

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | portal@museudapessoa.net
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+