Busca avançada



Criar

História

Eu gosto muito de cartas

História de: Leticia Moreira De Moura
Autor: Museu da Pessoa
Publicado em: 28/02/2014

Sinopse

Leticia vive desde a infância no Bairro de Francisco Mourato e conta sua história de correspondências de cartas com um amigo que estava preso. Através das cartas, Letícia recebia o carinho do amigo e parecia que escrever fazia seus dias melhores. Entrevista captada no metrô paraíso - Cabine museu que anda- em 13/06/2013.

Tags

História completa

O meu nome é Letícia Moreira de Moura, eu nasci em 1 de Junho de 1996. Nasci na cidade de Francisco Morato que é noroeste de São Paulo. Minha família veio do Ceará, de uma cidade que fica no Sertão, fica a três horas da capital que é Fortaleza. O meu pai já tinha vindo para São Paulo, antes da minha mãe. Ele estava buscando emprego. Eu acho que como toda pessoa que vem do nordeste, uma vida melhor, comprar um terreno. E nisso ele já namorava com a minha mãe e ele só estava esperando ganhar um pouco mais de dinheiro para poder trazer ela pra cá. Nisso ele comprou o terreno, ele morava de aluguel, aí nisso ele trouxe a minha mãe pra cá, eles se instalaram em uma casa de aluguel. Enquanto isso eles foram construindo a casa que é onde eu moro agora e onde eu nasci. Eu era muito solitária, eu sempre fiquei em creche, pois os meus pais trabalhavam bastante. E tipo foi nisso que eu me distanciei um pouco do meu pai. E a minha mãe, ela também trabalhava pra me sustentar. Quando eu não ficava numa creche eu ficava numa vizinha. Na creche eu ficava brincando de esconde-esconde, de pega-pega. Só que aí depois de passado um tempo, quando eu tinha seis anos eu comecei a ficar sozinha. Eu ficava brincando de boneca, eu ficava assistindo alguma coisa, esperando a minha mãe chegar. O que me ajudou bastante na minha infância foram os meus cachorros. Eu lembro que eu brincava muito, muito, eu passava a tarde inteira brincando, eu gostava também de estudar e tal, eu sempre me dediquei. Eu lembro que eu brincava muito de basquete, eu não sabia nem jogar bola direito, mas só de arremessar. Eu ficava fascinada, eu jogava bola também, bem pouco, mas jogava. Quando eu estava na escola eu fiz três amigos muito grandes: o Igor, a Neile e a Amanda. Eles foram meus amigos e continuam sendo meus amigos até hoje. Hoje estou no terceiro ano do ensino médio. Eu trabalho também como operadora de telemarketing e no fim de semana eu faço capoeira ou então eu saio, fico com o meu namorado, essas coisas.Vou prestar vestibular para Educação Física. Eu amo esporte, amo correr, brincar, pular, fazer qualquer esporte. Eu gosto muito de cartas. Quando eu estou inspirada eu começo a escrever e fica lindo. Eu de vez em quando, mando cartas para o meu namorado, mesmo estando perto dele. Eu tento passar o meu amor para ele. Eu lembro também, que eu tinha um colega, que acabou sendo preso, então a gente se comunicava por cartas. Eu nunca fui visitar ele, mas eu lembro que ele tinha um companheiro de cela que desenhava assim na borda da folha de papel e ficava uns desenhos lindos. Mesmo estando em um lugar tão melancólico, tão assim, eu via as cartas e eu via que ele sentia, que ele ficava bem em me escrever. Ele pedia para o amigo dele desenhar a borda das folhas, ele escrevia e nisso ele mandava pra mim, aí a gente se correspondia por cartas.

Ver Tudo PDF do Depoimento Completo

Outras histórias


Ver todas


Rua Natingui, 1100 - São Paulo - CEP 05443-002 | tel +55 11 2144.7150 | cel +55 11 95652.4030 | fax +55 11 2144.7151 | portal@museudapessoa.net
Licença Creative Commons

Museu da Pessoa está licenciado com uma Licença
Creative Commons - Atribuição-Não Comercial - Compartilha Igual 4.0 Internacional

+